JESUS E AS 4 ACUSAÇÕES

Enquanto Jesus caminhava pelas terras da Judéia e regiões vizinhas pregando o Evangelho e manifestando a chegada do Reino de Deus à humanidade; As pessoas que o viam de perto ou que Dele ouvissem noticias sobre o caráter de sua pregação e o poder que o acompanhava se admiravam, ficavam boquiabertas e perplexas com os sinais e prodígios.

Quando se menos imaginava, Jesus acolhia as pessoas desprezadas do povo no seu tempo, no caso as prostitutas  e publicanos, leprosos do corpo e doentes de toda espécie, endemoninhados de cavernas eram tipos comuns dos encontros de Cristo.

É evidente que os tipos "normais" de pessoas, ao menos aos olhos humanos da sociedade da época, também afluíam até Jesus, homens, mulheres e crianças, trabalhadores comuns como pescadores, agricultores, artesãos, e gente de condição financeira elevada.

Haviam os intelectuais romanos com sua cultura, hábeis nas palavras, confiantes no poder de seu conhecimento e na autoridade de seu César.
Não poderia deixar de mencionar os membros da classe religiosa; cada qual com sua linha de pensamento e modo de crer em Deus. Cada qual confiante em si mesmo e nas suas técnicas de como se deveria pensar, vestir, comer, falar, com suas listas de pessoas respeitáveis e de pessoas com as quais não se devia conversar e nem conviver.

Se mudarmos as profissões, as roupas  e acostumes específicos daqueles povos, bem que temos uma sociedade como a nossa de hoje.

Jesus soube fazer muitos amigos e cativar a admiração das pessoas, mas nem tudo foi flores, aliás, foi muito espinhento. Ele também criou desafetos e inimizades pelos mais diversos motivos em todas as classes de pessoas. 





Jesus foi acusado de inúmeras coisas por seus detratores e por muitas pessoas, mas quero destacar 4 acusações das quais Jesus foi alvo seja diretamente ou indiretamente por ações dos seus discípulos :


1º) Foi acusado de desrespeitar a TRADIÇÃO RELIGIOSA


2º) Foi acusado de desrespeitar a LEI DE DEUS


3º) Foi acusado de agir em nome de Belzebu, príncipe dos demônios

4º) Foi acusado de desrespeitar as autoridades governantes da época.

Para os acusadores romanos, não interessava se Jesus obedecia a Lei de Deus e as tradições dos anciãos, ou se tinha demônio, desde que pagasse seus impostos e respeitasse as autoridades do império romano estabelecidas sobre o povo, tudo estaria bem.

Para a classe religiosa, os fariseus e escribas, Jesus não obedecia a Leis de Deus (A qual estava na Torá, o que equivale ao velho testamento) e nem às tradições dos anciãos, ou seja não respeitava os costumes que foram surgindo nas sinagogas, ensinados pelos anciãos (homens velhos e "experientes" do povo), pelos escribas (Copistas da palavra de Deus que manualmente redigiam porções dos textos sagrados) e pelos fariseus (doutores da lei, aqueles que tinham a "interpretação correta" sobre as questões de fé). 

1º) Acusação - Não respeitar as TRADIÇÕES DOS ANCIÃOS (Mt 15:1-2 ; Mc 7:1-2)

Mas antes é conveniente explicar o que era a tradição dos anciãos. As tradições reunião todos os costumes do povo judeu acumulados ao longo da história e perpetuados de geração em geração, inclui-se a esta tradição os costumes religiosos associados ao judaísmo.
Quando os discípulos faziam uma  refeição, alguns dos discípulos não lavaram as mãos, numa avaliação precipitada alguém poderia dizer que a preocupação era com a higiene, mas na verdade, era um dentre vários rituais de purificação espiritual, uma vez que foi inserido na tradição do povo que  pecado era transmitido pelo toque. Não me refiro a tocar em animais imundos ou coisas mortas, mas a religiosidade deles tornou o pecado equivalente a gripe, que se pega no ar, no toque a objetos ou no contato com pessoas pecadoras, no simples caminhar pela rua que um pecador ande, como se eles mesmos fossem santos, e perfeitos.


1  E AJUNTARAM-SE a ele os fariseus, e alguns dos escribas que tinham vindo de Jerusalém.
2  E, vendo que alguns dos seus discípulos comiam pão com as mãos impuras, isto é, por lavar, os repreendiam.
3  Porque os fariseus, e todos os judeus, conservando a tradição dos antigos, não comem sem lavar as mãos muitas vezes;
4  E, quando voltam do mercado, se não se lavarem, não comem. E muitas outras coisas há que receberam para observar, como lavar os copos, e os jarros, e os vasos de metal e as camas.
5  Depois perguntaram-lhe os fariseus e os escribas: Por que não andam os teus discípulos conforme a tradição dos antigos, mas comem o pão com as mãos por lavar?
Marcos 7:1-5

Jesus, que retamente julgava segundo tudo aquilo que o Pai lhe dissera e em concordância com as Escrituras Sagradas responde a esta acusação feita a seus discípulos, os quais, certamente imitavam a Jesus e tinham a permissão dele para não obedecer aquilo que ultrapassasse o mandamento de Deus e principalmente as tradições que são contrárias à vontade de Deus.



6  E ele, respondendo, disse-lhes: Bem profetizou Isaías acerca de vós, hipócritas, como está escrito: Este povo honra-me com os lábios, Mas o seu coração está longe de mim;
7  Em vão, porém, me honram, Ensinando doutrinas que são mandamentos de homens.
8  Porque, deixando o mandamento de Deus, retendes a tradição dos homens; como o lavar dos jarros e dos copos; e fazeis muitas outras coisas semelhantes a estas. 
9  E dizia-lhes: Bem invalidais o mandamento de Deus para guardardes a vossa tradição.
10  Porque Moisés disse: Honra a teu pai e a tua mãe; e quem maldisser, ou o pai ou a mãe, certamente morrerá.
11  Vós, porém, dizeis: Se um homem disser ao pai ou à mãe: Aquilo que poderias aproveitar de mim é Corbã, isto é, oferta ao Senhor;
12  Nada mais lhe deixais fazer por seu pai ou por sua mãe,
13  Invalidando assim a palavra de Deus pela vossa tradição, que vós ordenastes. E muitas coisas fazeis semelhantes a estas.
14  E, chamando outra vez a multidão, disse-lhes: Ouvi-me vós, todos, e compreendei.
15  Nada há, fora do homem, que, entrando nele, o possa contaminar; mas o que sai dele isso é que contamina o homem.
16  Se alguém tem ouvidos para ouvir, ouça.
17  Depois, quando deixou a multidão, e entrou em casa, os seus discípulos o interrogavam acerca desta parábola.
18  E ele disse-lhes: Assim também vós estais sem entendimento? Não compreendeis que tudo o que de fora entra no homem não o pode contaminar,
19  Porque não entra no seu coração, mas no ventre, e é lançado fora, ficando puras todas as comidas? 
Marcos 7: 7-19

Percebe-se aqui que a religião e a tradição por mais forte que seja, NUNCA, poderá invalidar o que está escrito e determinado por Deus. 

Hoje é comum nas igrejas que se obedeça a inúmeras regras, costumes e tradições, nas quais se percebem duas características:

- Não conseguem ajudar ninguém de fato a se aproximar de Deus, nem tampouco ajudam no crescimento espiritual, aliás, se tornam pesadas e fazem desfalecer o ânimo.
- São um fardo que os pastores e lideres gostam de atar nas costas das pessoas, porém tais pastores não querem praticar aquilo que exigem dos fiéis e se transgridem algo explicitamente, apresentam exceções às regras por eles criadas.

2º) Acusado de desrespeitar a LEI DE DEUS

Uma vez que já tinham fracassado em acusar a Jesus e seus discípulos de não respeitarem a Tradição, por esta não ter valor se comparado ao imperativo do que está escrito, tiveram os opositores de Jesus de tentar pega-lo em algum mandamento, pois para eles, Jesus devia desrespeitar algum deles, e tentaram pegá-lo em um dia de sábado, afinal se conseguissem provar que Jesus quebrou um dos dez mandamentos (êxodo 20:1-10), mas como é típico destes acusadores utilizar a Palavra de Deus com uma interpretação pessoal com interesses próprios e dissociada do Autor das Sagradas Escrituras.
 1  NAQUELE tempo passou Jesus pelas searas, em um sábado; e os seus discípulos, tendo fome, começaram a colher espigas, e a comer.
2  E os fariseus, vendo isto, disseram-lhe: Eis que os teus discípulos fazem o que não é lícito fazer num sábado.
3  Ele, porém, lhes disse: Não tendes lido o que fez Davi, quando teve fome, ele e os que com ele estavam?
4  Como entrou na casa de Deus, e comeu os pães da proposição, que não lhe era lícito comer, nem aos que com ele estavam, mas só aos sacerdotes?
5  Ou não tendes lido na lei que, aos sábados, os sacerdotes no templo violam o sábado, e ficam sem culpa? 
Mateus 12:1-5



A resposta de Jesus quebra toda mentira e manipulação destes homens, vejamos o Mestre expondo as Escrituras aos seus acusadores.


6  Pois eu vos digo que está aqui quem é maior do que o templo.
7  Mas, se vós soubésseis o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifício, não condenaríeis os inocentes.
8  Porque o Filho do homem até do sábado é Senhor. 
Mateus 12:6-8

Quando Jesus nos mostra a verdade acerca de um erro só temos duas opções possíveis:
- arrependimento seguido de mudança de atitude.
- obstinação em continuar a pecar e transgredir a vontade de Deus.

Percebemos que está escrito em Lucas 6:11 acerca deste dialogo com Jesus: 

E ficaram cheios de furor, e uns com os outros conferenciavam sobre o que fariam a Jesus... 
Lc 6:11

O arrependimento não foi a opção escolhida, não quiseram admitir que interpretaram de modo errado como agir, preferiram dar lugar ao pecado e tramaram coisas piores contra Jesus. 

Na atualidade são muitos os que preferem se enfurecer, xingar, agredir, difamar, encobrir os próprios erros para que a justiça própria prevaleça sobre os fatos, de modo que ninguém consiga sequer abrir a boca para questionar ou expôr o que a Palavra de Deus diz. Mas no fim sabemos que à semelhança do que foi no passado, hoje os discípulos de Cristo ainda que acusados, serão defendidos pelo seu Mestre, seu Salvador e Senhor, pois tem um Consolador, Ajudador e Advogado (parakletos, na literatura não bíblica a palavra aparece com o significado técnico de  procurador de alguém diante de um tribunal).

Os fariseus, escribas e demais acusadores não se deram por satisfeito e novamente tentam acusa-lo em relação ao sábado, desta vez se perguntava acerca de curar um doente.

  9  E, partindo dali, chegou à sinagoga deles.
10  E, estava ali um homem que tinha uma das mãos mirrada; e eles, para o acusarem, o interrogaram, dizendo: É lícito curar nos sábados?
11  E ele lhes disse: Qual dentre vós será o homem que tendo uma ovelha, se num sábado ela cair numa cova, não lançará mão dela, e a levantará?
12  Pois, quanto mais vale um homem do que uma ovelha? É, por conseqüência, lícito fazer bem nos sábados.
13  Então disse àquele homem: Estende a tua mão. E ele a estendeu, e ficou sã como a outra.
14  E os fariseus, tendo saído, formaram conselho contra ele, para o matarem.
Mateus 12:9-14

Uma característica de líderes pecadores é a obstinação. Quanto mais são expostos suas falhas, mas contumazes em errar ficam e cometendo erros maiores. Se depois de Jesus mostrar a eles que é lícito que se alimentem no campo em pleno sábado já causou furor neles, agora que curava também no sábado deixou ainda mais evidente o erro dos lideres religiosos. Se antes formaram conselho para planejar o que fazer, agora já planejavam matá-lo na melhor ocasião.

3º) Acusação - Foi acusado de agir em nome de Belzebu, príncipe dos demônios
Jesus seguia cumprindo aquilo que o Pai lhe determinara e que está escrito em Is 61:1-2 e Lc 4:18-19:


18 O Espírito do Senhor é sobre mim, Pois que me ungiu para evangelizar os pobres. Enviou-me a curar os quebrantados do coração,
19 A pregar liberdade aos cativos, E restauração da vista aos cegos, A pôr em liberdade os oprimidos, A anunciar o ano aceitável do SENHOR.
Lucas 4:16-19

22  Trouxeram-lhe, então, um endemoninhado cego e mudo; e, de tal modo o curou, que o cego e mudo falava e via.
23  E toda a multidão se admirava e dizia: Não é este o Filho de Davi?
24  Mas os fariseus, ouvindo isto, diziam: Este não expulsa os demônios senão por Belzebu, príncipe dos demônios.
Mateus 12:23-32

Como não podiam negar os milagres de Jesus, agora resolveram dar a glória a Satanás e blasfemando contra Deus. Até a multidão percebia que Jesus não poderia ser uma pessoa comum e muito menos ainda um servo de demônios. A resposta de Jesus evidencia bem o caráter das intenções daqueles acusadores.

25  Jesus, porém, conhecendo os seus pensamentos, disse-lhes: Todo o reino dividido contra si mesmo é devastado; e toda a cidade, ou casa, dividida contra si mesma não subsistirá.26  E, se Satanás expulsa a Satanás, está dividido contra si mesmo; como subsistirá, pois, o seu reino? 27  E, se eu expulso os demônios por Belzebu, por quem os expulsam então vossos filhos? Portanto, eles mesmos serão os vossos juízes.
28  Mas, se eu expulso os demônios pelo Espírito de Deus, logo é chegado a vós o reino de Deus.
29  Ou, como pode alguém entrar em casa do homem valente, e furtar os seus bens, se primeiro não maniatar o valente, saqueando então a sua casa?
30  Quem não é comigo é contra mim; e quem comigo não ajunta, espalha.
31  Portanto, eu vos digo: Todo o pecado e blasfêmia se perdoará aos homens; mas a blasfêmia contra o Espírito não será perdoada aos homens.
32  E, se qualquer disser alguma palavra contra o Filho do homem, ser-lhe-á perdoado; mas, se alguém falar contra o Espírito Santo, não lhe será perdoado, nem neste século nem no futuro.
33  Ou fazei a árvore boa, e o seu fruto bom, ou fazei a árvore má, e o seu fruto mau; porque pelo fruto se conhece a árvore.
34  Raça de víboras, como podeis vós dizer boas coisas, sendo maus? Pois do que há em abundância no coração, disso fala a boca.
35  O homem bom tira boas coisas do bom tesouro do seu coração, e o homem mau do mau tesouro tira coisas más.
36  Mas eu vos digo que de toda a palavra ociosa que os homens disserem hão de dar conta no dia do juízo.
37  Porque por tuas palavras serás justificado, e por tuas palavras serás condenado.
Mateus 12:25-32

Tais homens que abrem a boca a blasfemar o Evangelho, ensinando mentiras estão entesourando para si mesmos condenação e sofrimento agora e pela eternidade.

A orientação de Jesus dentre outras coisas chama a atenção para que examinemos as PALAVRAS ditas e os FRUTOS das pessoas, para assim podermos discernir o que de fato habita no coração e quais as intenções. Muito triste perceber que há tantas pessoas que abdicaram de pensar e examinar as PALAVRAS E OS FRUTOS e preferem ouvir sem entender e "comer" os frutos sem sentirem o sabor.

4º) Foi acusado de desrespeitar as autoridades governantes da época.

Vou citar dois casos nos quais acusaram Jesus de não respeitar a autoridade romana. O primeiro se refere ao pagamento do tributo, quando tentaram fazer-LHE negar o pagamento de impostos a César.

15  Então, retirando-se os fariseus, consultaram entre si como o surpreenderiam nalguma palavra;
16  E enviaram-lhe os seus discípulos, com os herodianos, dizendo: Mestre, bem sabemos que és verdadeiro, e ensinas o caminho de Deus segundo a verdade, e de ninguém se te dá, porque não olhas a aparência dos homens.
17  Dize-nos, pois, que te parece? É lícito pagar o tributo a César, ou não?
Mateus 22:15-17 

Antes de lermos a resposta de Jesus, quero lembrar de um fato interessante acerca desta cobrança de impostos. Jesus, era descendente de Davi e como tal era isento de pagar impostos devido a uma decisão do rei Saul em isentar de impostos aquele que matasse Golias, sendo Davi quem realizou o feito.

23  E, estando ele ainda falando com eles, eis que vinha subindo do exército dos filisteus o homem guerreiro, cujo nome era Golias, o filisteu de Gate; e falou conforme àquelas palavras, e Davi as ouviu.
24  Porém todos os homens em Israel, vendo aquele homem, fugiram de diante dele, e temiam grandemente.
25  E diziam os homens de Israel: Vistes aquele homem que subiu? Pois subiu para afrontar a Israel; há de ser, pois, que, o homem que o ferir, o rei o enriquecerá de grandes riquezas, e lhe dará a sua filha, e fará isenta de impostos a casa de seu pai em Israel.
26  Então falou Davi aos homens que estavam com ele, dizendo: Que farão àquele homem, que ferir a este filisteu, e tirar a afronta de sobre Israel? Quem é, pois, este incircunciso filisteu, para afrontar os exércitos do Deus vivo?
27  E o povo lhe tornou a falar conforme àquela palavra dizendo: Assim farão ao homem que o ferir.
I Samuel 17:23-27

Como Davi matou a Golias, o direito à isenção estava sob a casa de Davi. Jesus era descendente de Davi, logo era isento de impostos. Mas como Jesus tinha de considerar o fato do império romano ter domínio sobre israel, tal isenção poderia eventualmente não ser reconhecida como válida.



Voltando ao direito à cobrança. Estavam reunidos os  herodianos (membros de um partido político judeu que era favorável a continuação da dinastia de Herodes) e os fariseus.

Se Jesus dissesse SIM, que deveria-se pagar impostos, isto desagradaria ao povo de Israel e daria força para os romanos que dominavam Israel e aos judeus que tentavam a todo custo desqualificar Jesus.

Se Jesus dissesse NÃO, isso faria que os partidários do governo romano acusassem Jesus de sonegar impostos.

Quaisquer das duas respostas eram o que esperavam os fariseus, para finalmente condenar a Jesus ou vê-lo sendo punido pelos romanos, mas quando Ele respondeu, calou a todos os acusadores.

18  Jesus, porém, conhecendo a sua malícia, disse: Por que me experimentais, hipócritas?
19  Mostrai-me a moeda do tributo. E eles lhe apresentaram um dinheiro.
20  E ele diz-lhes: De quem é esta efígie e esta inscrição?
21  Dizem-lhe eles: De César. Então ele lhes disse: Dai pois a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus.
22  E eles, ouvindo isto, maravilharam-se, e, deixando-o, se retiraram.
Mateus 22:18-22

Jesus em nenhum dos quesitos em que foi acusado foi culpado. Nem diante dos homens e nem diante de Deus. Entretanto era preciso que se cumprisse tudo o que estava escrito acerca de Jesus e era preciso que Ele fosse entregue pelos pecados de todos.

17  E, subindo Jesus a Jerusalém, chamou de parte os seus doze discípulos, e no caminho disse-lhes:
18  Eis que vamos para Jerusalém, e o Filho do homem será entregue aos príncipes dos sacerdotes, e aos escribas, e condená-lo-ão à morte.
19  E o entregarão aos gentios para que dele escarneçam, e o açoitem e crucifiquem, e ao terceiro dia ressuscitará.
Mateus 20:17-19

Depois de o prenderem e durante horas fazerem interrogatório a inúmeras falsas testemunhas que acusavam Jesus de todo tipo de coisas sem sentido. O motivo que condenou a Jesus, ao menos aos olhos das autoridades religiosas, foi a verdade incontestável de que Jesus é o Filho de Deus. O qual foi enviado ao mundo para a salvação de todos os que nêle cressêm (João1:12 , João 3:16)



57  E os que prenderam a Jesus o conduziram à casa do sumo sacerdote Caifás, onde os escribas e os anciãos estavam reunidos.
58  E Pedro o seguiu de longe, até ao pátio do sumo sacerdote e, entrando, assentou-se entre os criados, para ver o fim.
59  Ora, os príncipes dos sacerdotes, e os anciãos, e todo o conselho, buscavam falso testemunho contra Jesus, para poderem dar-lhe a morte;
60  E não o achavam; apesar de se apresentarem muitas testemunhas falsas, não o achavam. Mas, por fim chegaram duas testemunhas falsas,
61  E disseram: Este disse: Eu posso derrubar o templo de Deus, e reedificá-lo em três dias.
62  E, levantando-se o sumo sacerdote, disse-lhe: Não respondes coisa alguma ao que estes depõem contra ti?
63  Jesus, porém, guardava silêncio. E, insistindo o sumo sacerdote, disse-lhe: Conjuro-te pelo Deus vivo que nos digas se tu és o Cristo, o Filho de Deus.
64  Disse-lhe Jesus: Tu o disseste; digo-vos, porém, que vereis em breve o Filho do homem assentado à direita do Poder, e vindo sobre as nuvens do céu.
65  Então o sumo sacerdote rasgou as suas vestes, dizendo: Blasfemou; para que precisamos ainda de testemunhas? Eis que bem ouvistes agora a sua blasfêmia
66  Que vos parece? E eles, respondendo, disseram: É réu de morte.
Mateus 26:57-66

1  E, LEVANTANDO-SE toda a multidão deles, o levaram a Pilatos.
2  E começaram a acusá-lo, dizendo: Havemos achado este pervertendo a nossa nação, proibindo dar o tributo a César, e dizendo que ele mesmo é Cristo, o rei.
3  E Pilatos perguntou-lhe, dizendo: Tu és o Rei dos Judeus? E ele, respondendo, disse-lhe: Tu o dizes.
4  E disse Pilatos aos principais dos sacerdotes, e à multidão: Não acho culpa alguma neste homem.
5  Mas eles insistiam cada vez mais, dizendo: Alvoroça o povo ensinando por toda a Judéia, começando desde a Galiléia até aqui.
6  Então Pilatos, ouvindo falar da Galiléia perguntou se aquele homem era galileu.
7  E, sabendo que era da jurisdição de Herodes, remeteu-o a Herodes, que também naqueles dias estava em Jerusalém.
8  E Herodes, quando viu a Jesus, alegrou-se muito; porque havia muito que desejava vê-lo, por ter ouvido dele muitas coisas; e esperava que lhe veria fazer algum sinal.
9  E interrogava-o com muitas palavras, mas ele nada lhe respondia.
10  E estavam os principais dos sacerdotes, e os escribas, acusando-o com grande veemência.
Lucas 23:1-10

E quando apresentado a Pilatos e Herodes, nenhum deles via culpa de morte em Jesus, mas devido a pressão dos judeus que instigavam o povo a exigir pela morte de Jesus. Pilatos preferiu ceder à vontade dos acusadores de Jesus, mesmo sabendo da motivação deles:

9  E Pilatos lhes respondeu, dizendo: Quereis que vos solte o Rei dos Judeus?
10  Porque ele bem sabia que por inveja os principais dos sacerdotes o tinham entregado.

Marcos 15:9-10

11  E Herodes, com os seus soldados, desprezou-o e, escarnecendo dele, vestiu-o de uma roupa resplandecente e tornou a enviá-lo a Pilatos.
12  E no mesmo dia, Pilatos e Herodes entre si se fizeram amigos; pois dantes andavam em inimizade um com o outro.
13  E, convocando Pilatos os principais dos sacerdotes, e os magistrados, e o povo,
14  Disse-lhes: Haveis-me apresentado este homem como pervertedor do povo; e eis que, examinando-o na vossa presença, nenhuma culpa, das de que o acusais, acho neste homem.
15  Nem mesmo Herodes, porque a ele vos remeti, e eis que não tem feito coisa alguma digna de morte.
16  Castigá-lo-ei, pois, e soltá-lo-ei.
17  E era-lhe necessário soltar-lhes um pela festa.
18  Mas toda a multidão clamou a uma, dizendo: Fora daqui com este, e solta-nos Barrabás.
19  O qual fora lançado na prisão por causa de uma sedição feita na cidade, e de um homicídio.
20  Falou, pois, outra vez Pilatos, querendo soltar a Jesus.
21  Mas eles clamavam em contrário, dizendo: Crucifica-o, crucifica-o.
22  Então ele, pela terceira vez, lhes disse: Mas que mal fez este? Não acho nele culpa alguma de morte. Castigá-lo-ei pois, e soltá-lo-ei.
23  Mas eles instavam com grandes gritos, pedindo que fosse crucificado. E os seus gritos, e os dos principais dos sacerdotes, redobravam.
24  Então Pilatos julgou que devia fazer o que eles pediam.
25  E soltou-lhes o que fora lançado na prisão por uma sedição e homicídio, que era o que pediam; mas entregou Jesus à vontade deles.
Lucas 23:11-25

CONCLUSÃO 

Podemos perceber neste breve estudo que Jesus foi alvo de todo o tipo de oposição, acusação e calúnia. 

Sua condenação se deu por conveniência de Pilatos que se absteve de livrar um inocente da condenação injusta. 

Os principais dos sacerdotes movidos de inveja e sedentos por matar Aquele que expôs a Verdade do Evangelho, envergonhando as tradições religiosas que mais afastam de Deus e deturpam a fé simples em Deus do que ajuda.

Como reflexão última deixo aqui algumas orientações de Jesus para seus díscípulos, a qual foi dada a eles bem antes de muitas destas acusações e perseguições. orientações estas que são segurança para nós que humildemente buscamos aprender a servir a Deus e ao nosso próximo dia após dia, pelo tempo que nos for concedido por Deus.

Se com Cristo morremos, com ele viveremos.
Se o Perfeito foi acusado, nós aprendizes também o seremos
Se o Mestre foi perseguido, aos discípulos resta trilhar o caminho estreito que nos conduz ao descanso e recompensa eternos.

1  E, CHAMANDO os seus doze discípulos, deu-lhes poder sobre os espíritos imundos, para os expulsarem, e para curarem toda a enfermidade e todo o mal.
2  Ora, os nomes dos doze apóstolos são estes: O primeiro, Simão, chamado Pedro, e André, seu irmão; Tiago, filho de Zebedeu, e João, seu irmão;
3  Filipe e Bartolomeu; Tomé e Mateus, o publicano; Tiago, filho de Alfeu, e Lebeu, apelidado Tadeu;
4  Simão o Zelote, e Judas Iscariotes, aquele que o traiu.
5  Jesus enviou estes doze, e lhes ordenou, dizendo: Não ireis pelo caminho dos gentios, nem entrareis em cidade de samaritanos;
6  Mas ide antes às ovelhas perdidas da casa de Israel;
7  E, indo, pregai, dizendo: É chegado o reino dos céus.
8  Curai os enfermos, limpai os leprosos, ressuscitai os mortos, expulsai os demônios; de graça recebestes, de graça dai.
9  Não possuais ouro, nem prata, nem cobre, em vossos cintos,
10  Nem alforjes para o caminho, nem duas túnicas, nem alparcas, nem bordão; porque digno é o operário do seu alimento.
11  E, em qualquer cidade ou aldeia em que entrardes, procurai saber quem nela seja digno, e hospedai-vos aí, até que vos retireis.
12  E, quando entrardes nalguma casa, saudai-a;
13  E, se a casa for digna, desça sobre ela a vossa paz; mas, se não for digna, torne para vós a vossa paz.
14  E, se ninguém vos receber, nem escutar as vossas palavras, saindo daquela casa ou cidade, sacudi o pó dos vossos pés.
15  Em verdade vos digo que, no dia do juízo, haverá menos rigor para o país de Sodoma e Gomorra do que para aquela cidade.
16  Eis que vos envio como ovelhas ao meio de lobos; portanto, sede prudentes como as serpentes e inofensivos como as pombas.
17  Acautelai-vos, porém, dos homens; porque eles vos entregarão aos sinédrios, e vos açoitarão nas suas sinagogas;
18  E sereis até conduzidos à presença dos governadores, e dos reis, por causa de mim, para lhes servir de testemunho a eles, e aos gentios.
19  Mas, quando vos entregarem, não vos dê cuidado como, ou o que haveis de falar, porque naquela mesma hora vos será ministrado o que haveis de dizer.
20  Porque não sois vós quem falará, mas o Espírito de vosso Pai é que fala em vós.
21  E o irmão entregará à morte o irmão, e o pai o filho; e os filhos se levantarão contra os pais, e os matarão.
22  E odiados de todos sereis por causa do meu nome; mas aquele que perseverar até ao fim será salvo.
23  Quando pois vos perseguirem nesta cidade, fugi para outra; porque em verdade vos digo que não acabareis de percorrer as cidades de Israel sem que venha o Filho do homem.
24  Não é o discípulo mais do que o mestre, nem o servo mais do que o seu senhor.
25  Basta ao discípulo ser como seu mestre, e ao servo como seu senhor. Se chamaram Belzebu ao pai de família, quanto mais aos seus domésticos?
26  Portanto, não os temais; porque nada há encoberto que não haja de revelar-se, nem oculto que não haja de saber-se.
27  O que vos digo em trevas dizei-o em luz; e o que escutais ao ouvido pregai-o sobre os telhados.
28  E não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma; temei antes aquele que pode fazer perecer no inferno a alma e o corpo.
29  Não se vendem dois passarinhos por um ceitil? e nenhum deles cairá em terra sem a vontade de vosso Pai.
30  E até mesmo os cabelos da vossa cabeça estão todos contados.
31  Não temais, pois; mais valeis vós do que muitos passarinhos.
32  Portanto, qualquer que me confessar diante dos homens, eu o confessarei diante de meu Pai, que está nos céus.
33  Mas qualquer que me negar diante dos homens, eu o negarei também diante de meu Pai, que está nos céus.
34  Não cuideis que vim trazer a paz à terra; não vim trazer paz, mas espada;
35  Porque eu vim pôr em dissensão o homem contra seu pai, e a filha contra sua mãe, e a nora contra sua sogra;
36  E assim os inimigos do homem serão os seus familiares.
37  Quem ama o pai ou a mãe mais do que a mim não é digno de mim; e quem ama o filho ou a filha mais do que a mim não é digno de mim.
38  E quem não toma a sua cruz, e não segue após mim, não é digno de mim.
39  Quem achar a sua vida perdê-la-á; e quem perder a sua vida, por amor de mim, achá-la-á.
40  Quem vos recebe, a mim me recebe; e quem me recebe a mim, recebe aquele que me enviou.
41  Quem recebe um profeta em qualidade de profeta, receberá galardão de profeta; e quem recebe um justo na qualidade de justo, receberá galardão de justo.
42  E qualquer que tiver dado só que seja um copo de água fria a um destes pequenos, em nome de discípulo, em verdade vos digo que de modo algum perderá o seu galardão.
Mateus 10:1-42

Permaneçam na Graça e nela frutifiquem

sábado, 11 de setembro de 2010 às 17:25

4 Comments to "JESUS E AS 4 ACUSAÇÕES"

Nico, abençoamado
A paz

É isso ai! Retornou em grande estilo - o estilo exigido pelo Senhor.
Brilhante, dignificante, edificante. Aqui está o copo de água fria que irá soerguê-lo diante do Eterno.
Não posso perder o meu galardão.
Bem vindo, amigo
Passa lá naquele espaço que sempre estará lhe servindo de abrigo e conheça a minha obra. Ela tem tudo a ver com esta sua mensagem.
Em Cristo

Irmão Nicodemos, paz... Fiquei grato pela vossa visita e comentários. Deus seja contigo.

Peço que me ajudes e divulgar meu blog.
http://wwwteologiavivaeeficaz.blogspot.com/

Att.,

Profº Netto, F. A.

Oie!!!
Quero te agradecer pela passadinha em meu espaço e ter deixado lá um comentário.
Amei sua visitinha!

"Senhor, me volto a Ti, vem meu coração tomar.
Em todo meu viver, Te quero amar.
Estava triste e só, o Senhor me encontrou!
Falou-me com ternura e me salvou.

A minha vida és, a Ti vou me entregar,
À igreja e a Ti me consagrar.
Que tempo eu perdi, sempre olhando para mim,
Senhor, Te agradeço! Sou livre enfim.

De evangelizar toda tribo e nação,
'Té vires, pois, me dá tal coração.
Sim, neste meu país, e por onde quer que for,
Vou sempre proclamar: Cristo é o Senhor!"

Me ajude a orar pela restauração da minha família, pelo retorno do meu marido ao lar... porque... tá difícil...

Abraço...

Postar um comentário

Seja educado ao expôr suas idéias! Anonimato é sinal de medo e não é legal. És convidado a opinar e questionar. Base bíblica é sempre bem vinda, principalmente se desejar falar a respeito da bíblia.

LIBERDADE DE EXPRESSÃO

É IMPORTANTE ESCLARECER QUE ESTE BLOG, EM PLENA VIGÊNCIA DO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO, EXERCITA-SE DAS PRERROGATIVAS CONSTANTES DOS INCISOS IV E IX, DO ARTIGO 5º, DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL.

RELEMBRANDO OS REFERIDOS TEXTOS CONSTITUCIONAIS, VERIFICA-SE:

“É LIVRE A MANIFESTAÇÃO DO PENSAMENTO, SENDO VEDADO O ANONIMATO" (INCISO IV) E "É LIVRE A EXPRESSÃO DA ATIVIDADE INTELECTUAL, ARTÍSTICA, CIENTÍFICA E DE COMUNICAÇÃO, INDEPENDENTEMENTE DE CENSURA OU LICENÇA" (INCISO IX).

ALÉM DISSO, CABE SALIENTAR QUE A PROTEÇÃO LEGAL DE NOSSO TRABALHO TAMBÉM SE CONSTATA NA ANÁLISE MAIS ACURADA DO INCISO VI, DO MESMO ARTIGO EM COMENTO, QUANDO SENTENCIA QUE "É INVIOLÁVEL A LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA E DE CRENÇA".

TENDO SIDO EXPLICITADA, FAZ-SE NECESSÁRIO, AINDA, ESCLARECER QUE AS MENÇÕES, AFERIÇÕES, OU ATÉ MESMO AS APARENTES CRÍTICAS QUE, PORVENTURA, SE FAÇAM A RESPEITO DE DOUTRINAS DAS MAIS DIVERSAS CRENÇAS, SITUAM-SE E ESTÃO ADSTRITAS TÃO SOMENTE AO CAMPO DA "ARGUMENTAÇÃO", OU SEJA, SÃO ABORDAGENS QUE SE LIMITAM PURAMENTE ÀS QUESTÕES TEOLÓGICAS E DOUTRINÁRIAS. ASSIM SENDO, NÃO HÁ QUE SE FALAR EM DIFAMAÇÃO, CRIME CONTRA A HONRA DE QUEM QUER QUE SEJA, RESSALTANDO-SE, INCLUSIVE, QUE TAIS DISCUSSÕES NÃO ESTÃO VOLTADAS PARA A PESSOA, MAS PARA IDÉIAS E DOUTRINAS.