A QUEM DEVEMOS TEMER? Um Ensaio acerca do medo - parte I

O medo é um sentimento comum na vida de todos. Mesmo os mais fervorosos cristãos tiveram seus momentos de temor, a diferença é que alguns foram dominados por tal sentimento e outros o dominaram e subjugaram o medo pela Fé (seja uma Fé em Deus ou em si mesmos).

Qual a definição de medo?
No grego Phobos ( φόβος, medo, derivado: fobia) 

No dicionário Aurélio, medo significa:  
1. Sentimento de grande inquietação ante a noção de um perigo real ou imaginário, de uma ameaça; susto, pavor, temor, terror. 
2.  Receio (Dúvida, Apreensão quanto a possível dano, perigo ou malogro; medo, temor)

Na mitologia Phobos era fruto da união entre os deuses gregos Ares e Afrodite. Irmão Gêmeo de Deimos, Simbolizava o temor e acompanhava Ares nos campos de batalha, injetando nos corações dos inimigos a covardia e o medo que fazia-os fugir.

Fobia é o temor ou aversão exagerada ante situações, objetos, animais ou lugares. É o medo irracional e persistente e que gera um desejo intenso de evitá-los. Isso leva o indivíduo a enfrentar a situação, objeto ou atividade com muito temor ou se esquivar deles.

Sob o ponto de vista clínico, no âmbito da psicopatologia, as fobias fazem parte do espectro das doenças de ansiedade com a característica especial de só se manifestarem em situações particulares.

São três, os tipos de fobias:

1-Agorofobia - Medo de estar em lugares públicos concorridos, onde o indivíduo não possa retirar-se de uma forma fácil ou despercebida.

2-Fobia Social - Medo perante situações em que a pessoa possa estar exposta a observação dos outros, ser vítima de comentários ou passar perante uma situação de humilhação em público.

3-Fobia Simples - Medo circunscrito diante objetos ou situações concretas.

Dada estas variadas concepções do que é o medo podemos refletir sobre como o medo tem feito parte de nossas vidas e como reagimos diante dele?

Não quero falar sobre o medo ou fobia a baratas, ratos, nem tão pouco ao medo de escuro, de plantas, de mísseis ou de pêlos (difícil de imaginar este).  Nem dos medos irracionais (os quais tem raízes profundas na mente e causas de difícil percepção)

Quero me concentrar nos medos e fobias que podem ser personificados em pessoas ou no que elas podem fazer que nos cause algum tipo de medo.

Deste crianças somos conduzidos pelos pais a ter medo de algum "bicho papão", "tutu", "boi da cara preta", ou qualquer coisa que pudesse "vir nos pegar" caso fossemos desobedientes. Deste modo os pais refreavam os filhos de fazer algo que não fosse da vontade deles. 

Temos também o simples e velho medo de "tomar umas palmadas", "beliscões", "varinha de marmelo", "chineladas", assim por querer evitar algo que aprendemos na prática que dói fazíamos mesmo que a contra-gosto o que nos era determinado (ou nem sempre e nestes casos, da-lhe chinelo...).

Já na idade escolar as professoras ameaçavam "tirar pontos", "colocar para fora de sala", "mandar para a diretoria", "bilhete para os pais". As broncas e castigos dos pais ainda causavam algum impacto.

Na adolescência os medos são ampliados, fora as questões hormonais, a própria formação da identidade pessoal e social e todas as ansiedades e expectativas que temos já causam uma série de medos, "medo de tomar um fora de um(a) pretendente", medo de ser "o pior da turma", pense em qualquer coisa, até as mais banais, ninguém quer ser o último, aquele tido como menos habilidoso.

Na juventude ao pacote de fobias acrescenta-se o medo do desemprego, o medo de ser reprovado no vestibular, em muitas moças o medo de "ficar para titia".

Na vida adulta se vier o casamento é o medo de dar errado, se ficar solteiro é o medo da solidão, medo da velhice, medo da morte. Se tiver filhos, ai os temores e preocupações são multiplicados, pois se algo poderia lhe afetar, agora pode afetar a sua família também e os medos aumentam.

Poderia eu ter feito lista ainda mais extensa de medos e é evidente que cada pessoa experimentou em menor ou maior grau estes citados e ainda outros que não mencionei.

De maneira geral o medo não chega a ser um problema grave, mostra um padrão de limite individual e diante do perigo nos conduzindo a escolhas. 

O comportamento diante do medo e as escolhas que fazemos diante dele é a real questão.

Lembrando de Phobos que seguia Ares,o deus da guerra, em cada combate e infligia terror nos corações é uma personificação que nos mostra uma reação comum quando algo representa uma ameaça a uma pessoa, seja para sua auto-imagem ou para a imagem pública que se tem a nosso respeito.

Todo desafio é seguido do medo, ninguém quer fracassar, ser derrotado, ferido no corpo ou nas emoções.
Se lhe perguntar se deseja ganhar 1 milhão de dólares, a resposta provável será um "sim", ou talvez um "depende do que eu tenho que fazer", ou um "não", pois se o prêmio é "alto" o desafio deve ser muito grande.

Neste "depende" o que possivelmente nos perguntariamos...
Quais as consequências para mim?

Quais as reações das pessoas se eu disser sim ou não? 

Resumindo, todos querem aceitação pessoal e publica, segurança material e emocional.

Pense no quanto suas atitudes são baseadas no medo de não atender as suas expectativas próprias ou a de alguma pessoa ou a um grupo delas.

Pense no quanto decidir mudar de emprego não traz consigo o medo do outro emprego ser pior, de ser demitido, de não conseguir avançar na hierarquia.



Os medos estão associados a padrões de CERTO OU ERRADO, SUCESSO OU FRACASSO, MORAL OU IMORAL.  

E já que os medos além de individuais são também parte do coletivo, da cultura de cada povo e porque não dizer da cultura mundial; podemos nos perguntar finalmente?

A QUEM DEVEMOS TEMER?

Um dirá que tem medo do ladrão, outro do mentiroso, outro de um estuprador, outro de um traidor, outro do "governo", etc...

Ao consultar a Bíblia temos a menção de  palavras e expressões como:

temor, medo, terror, pavor e a  mais lembrada de todas "Não temas".

Palavras estas se referindo a "pessoas em relação a outras pessoas" e entre "as pessoas em relação a Deus".

O medo de pessoas em relação a outras pessoas.

Temos medo de outras pessoas por elas de varias formas terem a capacidade de nos infligir algum dano, causar algum mal a nós ou a alguém de nossa estima e é natural e coerente buscar prevenir-se de tal coisa. Vivemos num mundo onde a violência não só física, mas a emocional são frequentemente presenciadas e visíveis em todos os meios de comunicação. O medo nestes casos poderá fazer da sociedade uma vítima, acuada e sem voz, acorrentada a uma expectativa de que a qualquer momento poderá alguma coisa acontecer com o cidadão ou sua família. 

Ou provocar  e despertar uma atitude de oposição na qual não se aceita que arbitrariedades e violências sejam contra nós, contra nossa família e contra nosso próximo (partindo do princípio que o egoísmo não predomine na mente de cada um de nós).

O medo das pessoas em relação a Deus

Deus não é uma personificação da natureza, nem tão pouco um emaranhado de forças magnéticas, elétricas ou nucleares, ou fruto da mente humana. 

Então como Ser pessoal, que possui identidade, atributos de caráter e vontade. Dentre muitas declarações acerca do medo, vou esclarecer que Deus não conduz a sua relação com a humanidade por meio de intimidação, ou seja, não vai mandar raios, terremotos e tsunamis para que possa nos causar terror e medo; Para nos conduzir debaixo de sua vontade como um cavaleiro utiliza das esporas e chicote para por meio de dores nos obrigar a considerá-lo Deus.

Deus ama a humanidade e provou isto com um alto sacrifício:

"Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna."  João 3:16

Sendo o amor o sentimento de Deus em relação a humanidade então da nossa parte o medo deve dar lugar ao TEMOR, que nos fala de respeito, reverência e honra. Nossa atenção passa a ser em agir de modo a corresponder a este amor, ainda que humanamente não consigamos retribuir em nossos melhores esforços perfeitamente, nosso medo é transformado em gratidão a Ele. E enquanto filhos de Deus passamos a nos dedicar a viver de modo digno a esta condição de Filhos de Deus, aprendendo e sendo ensinados todos os dias por Este pai Amoroso, mas que sabe como disciplinar e corrigir.

12 Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que crêem no seu nome;
13 Os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus.
João 1:12-13

Porém o relacionamento das pessoas e Deus com o advento das religiões e suas inúmeras doutrinas que são muitas vezes divergentes às Escrituras  Sagradas foi corrompido na vida de muitos povos. As religiões ora apresentam a Deus como um

"velho sacana que não se importa com o que acontece aqui na terra"; 

outras fizeram uma imagem de Deus como a de "um comerciante que negocia benesses desde que se aceite pagar um bom preço ao revendedor (igreja)"; 

outros criaram "um deus que age como um playboy bilionário que assina o cheque sempre que o filho(a) mimado pede dinheiro para bancar suas festas e luxos";

ainda temos o "deus do tudo pode.... pode ser mentiroso, desonesto, desregrado, que mantém relações sexuais com tudo e todos, afinal o que importa é que sejamos felizes"
E o que eu considero pessoalmente o pior de todos os tipos de falsidades são a daqueles que:

Fizeram a si mesmo deuses, que criaram tais sistemas e ensinam como se fosse a Verdade, manipulando e enganando. Ameaçando e atacando a quem se opuser às mentiras que tão descaradamente travestem de "revelações" os próprios desejos e vontades como se fosse divinos.

TEMER A DEUS OU AOS HOMENS?

Lembrando que TEMOR no que se refere a Deus principalmente a HONRA, RESPEITO, GRATIDÃO, por termos sido tornados participantes da Graça de Deus. E que em relação ao homem é devido o Amor, do mesmo modo que Deus ama a cada um de nós, pois os dois maiores mandamentos são:

30 Amarás, pois, ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento, e de todas as tuas forças; este é o primeiro mandamento.
31 E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Não há outro mandamento maior do que estes. Mc 12:30-31

Então a questão de temer a Deus ou ao homem  se torna fundamental sempre que a vontade do homem se contrapõem a Vontade de Deus. Nestes casos a escolha acerca daquele a quem temer é óbvia e incontestável:

Temer a Deus

24 Tão-somente temei ao SENHOR, e servi-o fielmente com todo o vosso coração; porque vede quão grandiosas coisas vos fez.
25 Porém, se perseverardes em fazer mal, perecereis, assim vós como o vosso rei.
I Sm 12: 24-25

9 E todos os homens temerão
10 O justo se alegrará no SENHOR, e confiará nele, e todos os retos de coração se gloriarão.
Sl 64:9

Na segunda parte deste estudo tratarei acerca do medo que muitos de nós enfrentamos quando o homem entra em oposição a Deus e de qual posição temos de assumir diante disso.

Que possam todos ser Edificados na Palavra.

sábado, 29 de maio de 2010 às 17:28 , 15 Comments

A propaganda política dentro da igreja II - crime camuflado e pecado declarado - um exemplo verídico de hipocrisia

Recomendo que cristãos e não cristãos leiam e peço que reflitam acerca dos fatos, e mesmo na breve analise bíblica quero mostrar a todos que até um leigo acerca da bíblia perceberá o crime e a heresia cometida.

Quando foi exposto a relação entre o desrespeito das leis civis e das Leis  Espirituais em A propaganda política dentro da Igreja , eu pretendia fazer uma breve descrição dos aspectos jurídicos e da quebra de princípios de caráter e honra. O que configurava um crime perante os homens e pecado perante Deus.

Neste domingo dia 23/05/2010, pude presenciar tais abominações com meus próprios olhos. Fui a um "seminário" cuja finalidade era supostamente "crescimento espiritual e avivamento". Dentro da programação haveria 4 pregações (palestras) cujos temas eram família, avivamento, ganhar almas e moderação.

Tal seminário de cunho evangélico era presidido pelo líder nacional de uma denominação evangélica, a Igreja do Evangelho Quadrangular.

Em princípio, as palestras se seguiam dentro do que se esperava, eram feitas algumas breves exposições apoiadas em versículos da bíblia. o evento tinha bom potencial para ser produtivo, até que se iniciou a palestra acerca de ganhar almas (termo comum entre evangélicos para designar o evangelismo que visa a converter pessoas as igrejas ou a Cristo (disse "ou" por nem sempre ficar evidente se o objetivo é abarrotar as igrejas de fiéis ou se é conduzir as pessoas a um encontro genuíno com Deus).

O preletor que é um pastor (responsável estadual por missões ou seja pela elaboração de estratégias para que o Evangelho seja pregado às pessoas). O relato que se segue é como ele expôs e os textos bíblicos por ele utilizado, (resumirei a fala dele e vou me concentrar no ponto que diverge do que é lícito, ou para ser mais objetivo a onde começa as heresias).

"O Evangelho é o poder de Deus para todo aquele que Nele crê e para  se "ganhar almas"  existem 4 formas de se cumprir este objetivo:

1º Orar
2º Ir
3º Contribuir financeiramente
4º Votar- Leiam em casa o texto de Deuteronômio 17: 14-16."

O pastor dentro de suas explicações recomendou dentro do "Ir" que se pregasse a um número de pessoas com o alvo de "ganha-las" em 1/3, ou seja prega-se para 3 e ganha 1, por exemplo.
Até este ponto, não se havia feito heresias ou manipulações explícitas, mesmo que eu não entenda de onde saiu esta estatística de 1/3. Então ele começou a explicar  o 4º ponto...

4º ponto. - VOTAR , o pastor alegou que era preciso escolher um Daniel (Nota minha: personagem bíblico que teve grande poder político-administrativo durante o império babilônico e medo-persas, mas que se destacava por ter um caráter de fidelidade diante de Deus e de não ter em nenhum momento demonstrado sede de poder ou ganância por cargos administrativos).

Aonde esta o crime? Provavelmente no fato de se ter um deputado participando do evento e de ele ser o líder da igreja e de se colocar um pastor para dizer que os presentes deveriam votar em um "homem de Deus". Não sei se classifico isto como pouca vergonha, mensagem subliminar ou simples manipulação da boa vontade alheia. Ou será mera coincidência....

Aonde está a heresia? Antes vamos definir o que é heresia:

Heresia - São ideias contrárias ou deturpações e má-interpretações contrárias às Doutrinas e Verdades da Bíblia, dos profetas e de Jesus Cristo.

"Mas houve também entre o povo falsos profetas, como entre vós haverá falsos mestres, os quais introduzirão encobertamente heresias destruidoras, negando até o Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina destruição". II Pedro 2:1

 A bíblia nada diz no novo testamento acerca de votar em alguém para cargos políticos como forma de se ganhar alguém para Cristo. No Velho Testamento, tem-se exemplos de homens como José (livro de Gênesis 37 a 50) e Daniel (livro de Daniel), que são frequentemente desvirtuados ao serem utilizados como padrões para o caráter de administradores públicos, ambos foram idôneos e se estivessem no congresso, senado ou prefeituras certamente não teriam nenhuma condenação na justiça. Nenhum dos dois NUNCA demonstrou ganância com poder e ambos cumpriam missões especiais da parte de Deus.

José enquanto segundo homem no poder no Egito, abaixo apenas do Faraó, entendeu que havia chegado a tal posição para preservar sua família e o povo de uma grande crise de abastecimento de alimentos. Divinamente informado José orientou a faraó que guardasse alimento durante 7 anos de abundância pois seguiriam-se 7 anos de seca e fome), o que chama a atenção é que não se encontra escrito que José pediu emprego, promoção ou cargo público. Ele foi promovido pelo mérito da Revelação dada por Deus a ele e por seu caráter e sabedoria.

Daniel foi um instrumento de Deus para orientar aos reis da babilônia e persa acerca da Soberania e Domínio de Deus sobre toda a humanidade e cada nação, também profetizou acerca de acontecimentos futuros (dos quais admite-se que parte se cumpriu historicamente e parte ainda se cumprirá, estando descrito no livro de Apocalipse. Daniel nunca cobrou para falar da parte de Deus aos reis, nem pediu cargos e nem participou de eleições).

É claro que os contextos históricos eram outros e tive de ser sucinto não me aprofundando acerca destes dois heróis da fé, mas posteriormente o farei e recomendo a quem tiver interesse que o pesquise, é muito enriquecedor

Continuando....Já que o preletor utilizou uma passagem bíblica, vamos ao texto:

14 Quando entrares na terra que o Senhor teu Deus te dá, e a possuíres e, nela habitando, disseres: Porei sobre mim um rei, como o fazem todas as nações que estão em redor de mim;
15 porás certamente sobre ti como rei aquele que o Senhor teu Deus escolher. Porás um dentre teus irmãos como rei sobre ti; não poderás pôr sobre ti um estrangeiro, homem que não seja de teus irmãos.
16 Ele, porém, não multiplicará para si cavalos, nem fará voltar o povo ao Egito, para multiplicar cavalos; pois o Senhor vos tem dito: Nunca mais voltareis por este caminho.
Ao se utilizar versículos da bíblia é preciso que se tenha simples e indispensáveis cuidados:
não utilizar versículos isolados do texto e nem fora de contexto histórico-bíblico. É muito comum utilizar-se até metade de uma período ou frase para se justificar uma ideia ou orientação, o que já originou incontáveis erros de interpretação e que faz surgir centenas de igrejas, com doutrinas adversas ás Escrituras Sagradas.

Qual o texto e contexto de Deuterônomio cap 17:14-16?

Faz parte do texto do capítulo 17, versículos 14-20 e o contexto trata acerca de orientações para o povo de Israel quando quiserem ter um rei sobre eles, pois até então eles viviam como escravos no Egito e haviam sido libertos miraculosamente por Deus e estavam a caminho a Terra prometida. Até o momento o povo seguia orientações dadas por Deus, mediante Moisés.

Quando foi que se escolheu um rei utilizando estes critérios pela primeira vez na Bíblia?

Foi em I Samuel 8:1-22. O texto fala da situação em que Israel era julgada por juízes, muitas vezes surgidos do meio de crises e guerras, sem mandato definido e que eram homens responsáveis por questões administrativas e orientação Espiritual do povo. Samuel era juiz e sacerdote e havia julgado Israel até a sua velhice. Seus dois filhos sucederam a ele mas não foram íntegros de carater, eram inclinados a avareza, ou seja gananciosos.

4Então todos os anciãos de Israel se congregaram, e vieram ter com Samuel, a Ramá,
5 e lhe disseram: Eis que já estás velho, e teus filhos não andam nos teus caminhos. Constitui-nos, pois, agora um rei para nos julgar, como o têm todas as nações.
6 Mas pareceu mal aos olhos de Samuel, quando disseram: Dá-nos um rei para nos julgar. Então Samuel orou ao Senhor.
7 Disse o Senhor a Samuel: Ouve a voz do povo em tudo quanto te dizem, pois não é a ti que têm rejeitado, porém a mim, para que eu não reine sobre eles.

Atenção ao versículo 7, Deus foi rejeitado pelo povo, por mais incrível que possa parecer Deus preferia que o povo estivesse debaixo da orientação dos juízes, pois estes atendiam aos desígnios de Deus.. Um outro e principal problema seria o fato de "...Constitui-nos, pois, agora um rei para nos julgar, como o têm todas as nações... " I Samuel 8:5, Deus não queria que seu povo imitasse as nações vizinhas a Israel..

Então relacionando Dt 17:14-20 a I Sm 8:1-22, percebemos que o modo e o momento da escolha do rei não refletia a vontade de Deus para o povo dele, mas podemos depreender que Deus sabia da inclinação das pessoas a imitarem outros povos e costumes e antecipou-se a estas situação.

A partir do que foi pregado percebo uma imcopatibilidade, pois citou o fato de se "escolher o candidato dentre os irmãos da igreja" . Mas fazendo uma análise mais ampla percebe-se a rejeição de Deus nesta escolha de um rei.

Isto quer dizer que não se deve escolher candidatos com carater, valores espirituais e capacidade administrativa? De certo que se deve sim eleger pessoas comprometidas com povo sobre o qual governam e representam. Mas não utilizando-se de deturpações de textos bíblicos.

- É anti-bíblico afirmar que Jesus mandou votar em alguém para que se ganhem almas.
- O texto utilizado tem limitação de significado e um contexto histórico específico e a má -interpretação é também uma heresia, por acrescentar um significado maior do que o contido.
- O uso de textos bíblicos para objetivos pessoais (como preparar o terreno para lançar candidatura a reeleição é criminosa e herética) e por meio de joguetes psicológicos é mesquinho, vil e de grande desrespeito a Deus que certamente vê tudo isso e há de recompensar a cada um segundo suas obras.

Se isso tudo não fosse suficiente, poderia acrescentar mais uma observação que está em: Dt 17:17

17 Tampouco multiplicará para si mulheres, para que o seu coração não se desvie; nem multiplicará muito para si a prata e o ouro. (grifei)

Segundo o portal da Ong Transparência Brasil, a declaração de patrimônio declarado a Justiça Eleitoral deste ilustre pastor-político é:


Patrimônio
Montante
APLICAÇÃO FINANCEIRA BANCO DO BRASIL
R$ 1.918.080,00
CASA BELO HORIZONTE (1º) - MG
R$    180.000,00
CASA BELO HORIZONTE (2º) - MG
R$    180.000,00
AUTO FORD F250 - 1999
R$     80.000,00 
Soma dos bens declarados em 2006                                R$ 2.358.080,00 

É isso mesmo. Um líder Evangélico cujo patrimônio é de mais de R$ 2,5 milhões de reais, acredito que dá para converter em bastante ouro e prata, vejamos: o grama do ouro a R$ 71,50 dá um montante de 35,5  Kg, o que são 35 quilos de ouro? imagine que um par de alianças de casamento, que é o único ouro da maior parte dos brasileiros, no meu caso é de 11 gramas, ou 0,011 Kg.

Então se o texto utilizado na pregação não foi o mais adequado, este aspecto do ouro e prata nos mostra que definitivamente precisa-se de um candidato que seja dos irmãos e que não tenha muito ouro no cofrinho.

E para encerrar o "seminário" de crescimento espiritual foi doado a cada família participante um DVD, com as realizações e projetos da igreja. E na capa e contra-capa estava o nome da igreja e ao lado sabe o que mais?
uma cruz? NÃO.
Uma Ilustração de Jesus? NÃO
O logotipo da igreja? NÃO.
Fotos dos membros da igreja? NÃO.
A capa e contra-capa era a foto do próprio pastor-político.

O que se pode aprender deste triste episódio é que homens de consciência corrompidas e que são amantes de si mesmos andam a devorar o rebanho de ovelhas e estão a se vestir com a pele delas. Eles seguem tropeçando e arrastam outros que agindo na simplicidade da sua fé lhes confiam o privilégio de pregar o Evangelho e cuidar destas vidas.

Eu como não posso ser cúmplíce de heresias e ja suspeitando das posturas destes senhores feudais e coronéis de igreja ja tinha antecipado-me e publicado um jornal impresso com os três artigos  om uma tiragem de 200 cópias, inclusive entreguei uma nas mãos de tão inspirado pastor:


Como ja declarei sistemas religiosos tendem a ser manipuladores e condicionados a metas quantitativas e não qualitativas. É lamentável que a Bíblia e o nome de Deus sem calcados e difamados devido aos maus testemunhos de alguns, mas como já esta escrito:

12 Estes são os escolhidos em vossas festas de amor, quando se banqueteiam convosco, pastores que se apascentam a si mesmos sem temor; são nuvens sem água, levadas pelos ventos; são árvores sem folhas nem fruto, duas vezes mortas, desarraigadas;
13 ondas furiosas do mar, espumando as suas próprias torpezas, estrelas errantes, para as quais tem sido reservado para sempre o negrume das trevas. Jd 1:12-13

"1 E também houve entre o povo falsos profetas, como entre vós haverá também falsos doutores, que introduzirão encobertamente heresias de perdição, e negarão o Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina perdição.
2 E muitos seguirão as suas dissoluções, pelos quais será blasfemado o caminho da verdade.
3 E por avareza farão de vós negócio com palavras fingidas; sobre os quais já de largo tempo não será tardia a sentença, e a sua perdição não dormita. II Pe 2: 1-3

1 Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos.
2 Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos,
3 Sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons,
4 Traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus,
5 Tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te.
6 Porque deste número são os que se introduzem pelas casas, e levam cativas mulheres néscias carregadas de pecados, levadas de várias concupiscências;
7 Que aprendem sempre, e nunca podem chegar ao conhecimento da verdade.
8 E, como Janes e Jambres resistiram a Moisés, assim também estes resistem à verdade, sendo homens corruptos de entendimento e réprobos quanto à fé.
9 Não irão, porém, avante; porque a todos será manifesto o seu desvario, como também o foi o daqueles.
10 Tu, porém, tens seguido a minha doutrina, modo de viver, intenção, fé, longanimidade, amor, paciência,
11 Perseguições e aflições tais quais me aconteceram em Antioquia, em Icônio, e em Listra; quantas perseguições sofri, e o SENHOR de todas me livrou;
12 E também todos os que piamente querem viver em Cristo Jesus padecerão perseguições.
13 Mas os homens maus e enganadores irão de mal para pior, enganando e sendo enganados. " II Tm 3:1-13

No próximo texto vou narrar as reações das pessoas que receberam o jornal em mãos e dos pastores e principalmente do pastor presidente da igreja local em relação ao que foi escrito e perceberão que quando se trata de pecado e corrupção eu esbarrei num ice-berg ou talvez num aterro. Falarei da perseguição e calúnias que ja começaram a fazer e acreditem, em pleno culto. Aguardem!

Permaneçam na Graça e frutifiquem nela

segunda-feira, 24 de maio de 2010 às 09:02 , 24 Comments

A PROPAGANDA POLÍTICA DENTRO DA IGREJA

Em certa ocasião Jesus foi interrogado se era lícito pagar impostos a César e respondeu que “Daí, pois a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus” (Mt 22:21). Recebemos uma importante orientação sobre como um servo e Filho de Deus deve se comportar neste mundo: Respeitando as leis civis e as autoridades; bem como obedecer a Deus segundo as Escrituras Sagradas. Este testemunho de Jesus da necessidade de ser honesto e íntegro deixou até seus inimigos maravilhados e sem reação.

É triste ver nos dias de hoje que tal ensinamento se perdeu e principalmente da parte de Pastores e lideres religiosos (evangélicos, católicos e outros) que desrespeitam as leis civis e contaminam as reuniões espirituais com propagandas eleitorais.


Vejamos o que a lei diz:


O artigo 36 da lei 9.504/97, diz: “A propaganda eleitoral somente é permitida após o dia 5 de julho do ano da eleição.”


Segundo a Lei 9.504/97 e de acordo com o artigo 13, § 2º da resolução 22.718/2008, do Tribunal Superior Eleitoral, fica proibida toda e qualquer propaganda eleitoral dentro de templo.



§ 2º “Bens de uso comum, para fins eleitorais, são os assim definidos pelo Código Civil e também aqueles a que a população em geral tem acesso, tais como cinemas, clubes, lojas, centros comerciais, templos, ginásios, estádio, ainda que de propriedade privada”. (grifei).

A lei é bem objetiva e fácil de perceber o que é ilícito. E como as eleições estão se aproximando é preciso ficar atento e não permitir que os Púlpitos de pregação do Evangelho se transformem em palanques. E como muitos de nós já presenciamos tais crimes dentro das igrejas e tudo feito “em nome de Jesus”.


Tais testemunhos só servem para envergonhar e manchar as igrejas que assim deixam de ser Casa de oração para servir como casas de propaganda.


Esperamos que tais pastores-políticos ou políticos pastores não cometam tais crimes que se porventura forem denunciados em qualquer delegacia ou na Justiça Eleitoral poderão certamente ser multadas em grandes quantias.


O povo de Deus é Rebanho e Aprisco de Cristo e não um curral eleitoral no qual se comete crimes da época do Coronelismo e do voto de cabresto. Pastores devem conduzir o povo a Cristo e não até as urnas eletrônicas. Não permita que sua fé seja manipulada a fim de interesses particulares e que a palavra de Deus seja blasfemada (E muitos seguirão as suas dissoluções, pelos quais será blasfemado o caminho da verdade. I Pe 2:2).



É preciso dar um basta nesta politicagem. Igreja é lugar de pregação do Evangelho e de Louvar a Deus.

quinta-feira, 13 de maio de 2010 às 15:21 , 31 Comments

Católicos x Evangélicos. Ainda existem diferenças?

Ao observar o comportamento de católicos e evangélicos com suas diferentes doutrinas e valores teremos uma surpresa. Ambos são muito parecidos, ainda que na teoria muitos lideres religiosos apregoem em seus púlpitos o quanto cada qual é melhor que o outro e que se afirme a “superioridade e verdade” de suas crenças, porém na prática são muito semelhantes.

Enganam-se quem disser que em comum possuem apenas a fé em Deus, em Jesus Cristo e na Bíblia. Jesus disse de maneira clara que pelos frutos conhecemos a arvore. Não faz sentido dizer que uma figueira é uma videira só porque tem uma placa que diz isso enquanto os figos são abundantes em seus ramos. Do mesmo modo dizer que um evangélico é evangélico por estar em uma igreja evangélica ou um católico o é por estar em uma igreja católica parece óbvio e perceptível; mas no dia a dia, fora do ambiente religioso ao se observar as condutas e como cada um vive sua fé, então poderemos analisar se o que se prega é o que se vive. Vamos aos frutos de ambos.

O amor ao próximo, todos afirmam a importância disso, mas sempre que podem excluem, discriminam e inferiorizam a tudo e todos que são de “outra religião”, riem-se do feio, do gordo, do magro, do bêbado, do pobre, falam mal no trânsito, na fila do banco, e sempre que podem encontram-nos outros os culpados por seus próprios erros ou infortúnios. E perdoar então... Já ouvi de ambos pérolas como: “ eu te perdôo, mas não quero mas falar contigo”.

Quanto aos ídolos, um diz que as imagens de esculturas em altares são apenas para lembrar e honrar e não para se adorar, o outro substituiu os ídolos com formatos e feições humanas por carros, motos, computadores, casas luxuosas, e os altares são garagens, e terrenos. Ai daquele que tocar numa imagem sem reverência e ai daquele que encostar no seu lindo carro polido e adornado.

Quanto a liturgia das missas e cultos, um segue um roteiro escrito entregue a cada fiel que entra no templo, já o outro utiliza um roteiro que não é distribuído. Mas ambos seguem suas rotinas e quando se sai do roteiro ou erra na execução então vem as críticas e penalidades.

E o dinheiro... Cada um busca o maior lucro possível com o menor esforço, todos são orientados ao dízimo e enfatiza-se a importância de plantar sementes. Neste ponto devo enfatizar uma diferença. Os católicos não são rigorosos nas suas arrecadações e não são punidos por tal falta de compromisso. O evangélico é já muito instruído acerca de todas as pragas e maldições que sobrevirão sobre aqueles que não honrarem tal compromisso. E as sementes.... Quem muito planta muito colhe, é quase um mantra nas igrejas e o estímulo ao acumulo de riquezas superou em astúcia até mesmo a venda de indulgencias na idade média. Se na idade média se vendia o perdão de pecados passados e apólices para os pecados futuros, ainda que a arrecadação tivesse objetivos “nobres” como a edificação de templos; Hoje nas igrejas evangélicas temos todo tipo de campanha de arrecadação com todo o tipo de voto apoiado em um misticismo numérico que certamente vai atrair até os esotéricos e numerólogos às igrejas. São eventos e esquemas tipo, 3 dias de campanha, 7 elos, 12 sementes (de 12 discípulos), R$91 reais e o mal não entrará na sua tenda (salmo 91), R$ 300 e a unção de Gideão e dos 300 homens estará sobre sua vida. Votos de R$ 1000 e a sua família será salva, R$900 e sua vida financeira vai deixar até Salomão com “inveja”. Neste quesito os pastores, bispos, profetas e apóstolos modernos deixaram todos os Papas para trás. Antes bastava criar uma encíclica papal para legitimar uma heresia, afinal o povo não conhecia a bíblia por não ter acesso a ela (era exclusiva do clero). Na atualidade temos profecias, visões e revelações extra-bíblicas para justificar todas as deturpações e o pior é que mesmo com o acesso amplo à Bíblia o apelo ao fique rico, seja um empresário, realize todos os desejos do seu coração se tornou algo mais importante do que examinar as Escrituras Sagradas e se perguntar se o real desejo de Deus é uma vida de busca pela riqueza. Será que os cristãos de Beréia (at 17) estão se mudando para Sodoma e Gomorra.

Na igreja católica tem-se a encíclica da infalibilidade papal, ou seja, o Papa não erra, pois é o escolhido de Deus e como tal não pode errar. Os líderes evangélicos já têm a sua encíclica própria que afirma que “ai daquele que tocar no ungido de Deus”, deste modo quem tocar nos seus egos, tocar nas suas vontades é réu de condenação, e punições eclesiásticas, nem é preciso ou permitido o confronto entre atitudes e o que diz as Sagrada Escrituras. A inquisição (colegiado de autoridades aptas a julgar heresias contra as leis católicas), a morte na fogueira (é queimar mesmo no fogo com lenha e tudo) deu lugar ao “ir pro banco” (punição típica nas igrejas evangélicas que consiste em se impedir o serviço no templo até que o pecador se arrependa da sua má conduta, neste caso, que se arrependa de ter questionado o comportamento inadequado e condenável de seus líderes), a morte espiritual, modalidade de punição que consiste em se criar condições para que o rebelde (quem discorda do pastor ou liderança) possa sair da igreja ou abandonar o evangelho, assim fica o assassinato com um aspecto de “justiça divina”.

Ambos tem suas bíblias idênticas, um já tem 7 livros a mais oficializados no cânon sagrado, já o outro tem tantas profecias e revelações particulares de ultima hora que deve dar para se escrever mais uns 7 x 7 livros para se acrescentar na Bíblia.

De fato ainda existem diferenças entre católicos e evangélicos, mas neste ritmo logo o sonho de algumas lideranças evangélicas e católicas vão alcançar o tal ecumenismo e aí sim, orgulhosamente todos serão irmãos e seguirão com seus rebanhos de bodes ao mesmo deus (não é erro de escrita) e vão morar juntinhos num lugar quentinho. Mas o rebanho de Cristo certamente não se deixará seduzir por vozes estranhas e doutrinas de homens. Que sirva de alerta a todos o que diz as Escrituras sagradas ( Mt 7:16 ; I Tm 1: 7).

Nesta edição vamos examinar mediante a história e o exame das Escrituras Sagradas como tem sido e como se espera que seja o comportamento cristão diante do desafio de servir a Deus mediante momentos de crise e conflitos mundiais, locais ou pessoais.

às 15:17 , 12 Comments

O CRISTÃO E O MEIO AMBIENTE


 
Freqüentemente se prega acerca do que Jesus falou: “...na Casa do meu pai há muitas moradas...” (Jo 14:23a), o que é bom e lícito. Mas antes de se ir para tais moradas celestiais temos de viver nesta morada chamada planeta Terra. Seria o meio ambiente algo que deveríamos nos preocupar? Efeito estufa, poluição, reciclagem, parece coisas estranhas a fé, mas que na verdade deveriam sim ocupar nossas atenções.


 
Em Gênesis 1 esta escrito que a Terra e o jardim do Éden foram feito e lá o homem foi posto para dele cuidar, bem como todos os animais aquáticos e terrestres, arvores frutíferas. Deus disse ao homem “dominai”. Então a partir disso entendemos que a humanidade recebeu liberdade para usufruir de todas as riquezas minerais, animais e vegetais, bem como os rios e mares. Muitas descobertas e avanços tecnológicos incontáveis surgiram e igualmente problemas como a destruição de floresta, extinção de espécies, poluição de rios, esgotamento dos peixes pela pesca excessiva. 40 % de todo o alimento produzido no Brasil é desperdiçado. 12% da floresta amazônica já foi desmatada para extração de madeira, formação de pasto para boi, plantação de soja ou virou deserto. Segundo a UNICEF, metade do mundo não dispõe de água potável. O aquecimento global e suas conseqüências que vão refletir na oferta de alimentos e em efeitos climáticos intensificados como chuvas e secas que causam destruições todos os anos nas cidades e centros urbanos.

Se examinarmos esta questão e considerarmos os bilhões de pessoas que correm risco de vida por causa da fome e das secas, pestes e doenças. E que milhares morrem todos os anos por guerras por água no continente africano podemos então perguntar-nos, qual é a nossa responsabilidade nisso?

Certamente não é Satanás e não são os demônios que dirigem carros que poluem, jogam lixo nos córregos e rios, consomem e produzem lixo que causam impactos ambientais nos lixões, rios e mares. Somos todos nós, cristãos e não cristãos que movimentam um capitalismo cada vez mais focado no aumento do consumo de bens industrializados cedendo à maciça propaganda que associa felicidade a aquisição de bens materiais. Somos nós que adquirimos produtos importados de países da Ásia e África a baixos custos para nós, mas com grande prejuízo a natureza e a qualidade de vida dos trabalhadores destas indústrias.

Lembrando de certa ocasião em que Paulo disse que “Mas, se por causa da comida se contrista teu irmão, já não andas conforme o amor. Não destruas por causa da tua comida aquele por quem Cristo morreu.”Rm 14:15. É evidente que este versículo se refere a questão de comidas sacrificadas a ídolos e em como isto pode atrapalhar a fé de alguns. Mas podemos no questionar tendo como princípio o amor ao próximo e que nosso modo de consumo tem destruído o meio ambiente e prejudicado a muitas pessoas. Será que posso considerar uma atitude cristã viver de modo desregrado, poluindo e destruindo este mundo na expectativa de uma morada eterna+ e aqueles que vão sofrer todos os danos, fome, sede, doenças; provalmente os nossos netos viverão em um mundo muito diferente onde água, comida, arvores, aves, rios não existam em abundancia e provavelmente serão propriedades particulares de ricos que terão seu “jardim do Éden” particular, enquanto a grande maioria das pessoas de países pobres padeceram de todos os males e necessidades.

Pregar o Evangelho é essencial e dever de todo o cristão. Não matarás é o que está Escrito. Mas porventura matar de fome e sede, ainda que indiretamente não poderá ser considerado pecaminoso contra nosso próximo, imoral e egoísmo? Olhar para o alto e sonhar com uma cidade de ouro enquanto caminhamos cada vez mais para um colapso nos centros urbanos é irracional.

Busquemos sim tudo o que é eterno e celestial, mas que não sejamos ignorantes acerca de nosso dever de dominar este mundo e usufruir de tudo com cuidado de modo a repartir com as gerações futuras as belezas e recursos. Não sendo omissos para com as vidas que se perdem enquanto usufruímos de luxos e confortos. Enquanto a poluição, o lixo, a fome, a seca e as doenças conseqüentes deste viver consumista e materialista recaem sobre aqueles que não partilham de carros, tênis, computadores ou fast-food.

Como disse Jesus: “Amarás ao teu próximo como a ti mesmo” (Mt 19:19). Nenhum de nós gostaria de morrer de sede ou fome, nem por doenças e catástrofes ambientais. Não sejamos como o Mestre da Lei que perguntou a Jesus. “Quem é o meu próximo?” (Lc 10:29). Não podemos ignorar que se cuidarmos do meio ambiente muito serão preservados do mal e dizer que não temos como saber quem será ajudado se o meio ambiente for preservado seria uma mentira. E por fim 1 Co 10:31 “Portanto, quer comais quer bebais, ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para glória de Deus.”

Que possamos ser cristãos também na administração desta Terra como bons mordomos que darão contas a seu Senhor de tudo o que fizermos.

às 15:12 , 1 Comment

LIBERDADE DE EXPRESSÃO

É IMPORTANTE ESCLARECER QUE ESTE BLOG, EM PLENA VIGÊNCIA DO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO, EXERCITA-SE DAS PRERROGATIVAS CONSTANTES DOS INCISOS IV E IX, DO ARTIGO 5º, DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL.

RELEMBRANDO OS REFERIDOS TEXTOS CONSTITUCIONAIS, VERIFICA-SE:

“É LIVRE A MANIFESTAÇÃO DO PENSAMENTO, SENDO VEDADO O ANONIMATO" (INCISO IV) E "É LIVRE A EXPRESSÃO DA ATIVIDADE INTELECTUAL, ARTÍSTICA, CIENTÍFICA E DE COMUNICAÇÃO, INDEPENDENTEMENTE DE CENSURA OU LICENÇA" (INCISO IX).

ALÉM DISSO, CABE SALIENTAR QUE A PROTEÇÃO LEGAL DE NOSSO TRABALHO TAMBÉM SE CONSTATA NA ANÁLISE MAIS ACURADA DO INCISO VI, DO MESMO ARTIGO EM COMENTO, QUANDO SENTENCIA QUE "É INVIOLÁVEL A LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA E DE CRENÇA".

TENDO SIDO EXPLICITADA, FAZ-SE NECESSÁRIO, AINDA, ESCLARECER QUE AS MENÇÕES, AFERIÇÕES, OU ATÉ MESMO AS APARENTES CRÍTICAS QUE, PORVENTURA, SE FAÇAM A RESPEITO DE DOUTRINAS DAS MAIS DIVERSAS CRENÇAS, SITUAM-SE E ESTÃO ADSTRITAS TÃO SOMENTE AO CAMPO DA "ARGUMENTAÇÃO", OU SEJA, SÃO ABORDAGENS QUE SE LIMITAM PURAMENTE ÀS QUESTÕES TEOLÓGICAS E DOUTRINÁRIAS. ASSIM SENDO, NÃO HÁ QUE SE FALAR EM DIFAMAÇÃO, CRIME CONTRA A HONRA DE QUEM QUER QUE SEJA, RESSALTANDO-SE, INCLUSIVE, QUE TAIS DISCUSSÕES NÃO ESTÃO VOLTADAS PARA A PESSOA, MAS PARA IDÉIAS E DOUTRINAS.